Redes sociais ampliam alcance das informações do Senado
By João Marcos Rainho On 29 Jun, 2016 At 11:54 AM | Categorized As Comunicação Pública | With 0 Comments

As informações produzidas pelo Senado têm alcançado um número cada vez maior de pessoas por meio das redes sociais. Em janeiro do ano passado, a página da Casa no Facebook contava com 240 mil seguidores. Na última quinta-feira, 23, já eram 1,7 milhão, um crescimento de quase 600% no período. Criado em agosto de 2010, o perfil na rede social fornece informações sobre projetos, debates, votações e atividades institucionais do Senado.

O crescimento do número de pessoas alcançadas pelas mensagens também é alto, segundo Silvia Gomide, gestora do Núcleo de Mídias Sociais, ligado à Secretaria de Comunicação Social do Senado. De 1º de janeiro a 18 de junho deste ano, as postagens no Facebook foram compartilhadas 4,6 milhões de vezes, receberam 15,5 milhões de curtidas e geraram 23,6 milhões de comentários.

Silvia destaca a importância do envolvimento dos usuários com as publicações, o chamado nível de engajamento. De acordo com ela, nos últimos meses, o perfil do Senado no Facebook foi o de maior engajamento entre as páginas de governo em todo o mundo, superando o da Nasa e o da Casa Branca, segundo o Quintly (www.quintly.com), site de análise das mídias sociais.

“Para mensurar o engajamento, é preciso levar em consideração todas as formas de interação em uma determinada postagem. Uma característica dos nossos perfis é que nunca pagamos por espaço. Todo alcance e engajamento são orgânicos, ou seja, conseguidos pela própria qualidade do conteúdo”, ressalta Silvia.

O ranking do Quintly considera o total de seguidores dos perfis no Facebook e a quantidade de pessoas interagindo com os posts, o que é mensurado pelo número de compartilhamentos, curtidas e comentários. A posição no ranking muda constantemente, pois depende da movimentação diária nas páginas.

 

Senado

Temas que geram mais interesse
Segundo Silvia Gomide, as postagens que mais atraem a atenção dos seguidores são aquelas que têm interferência na vida das pessoas, como questões de cidadania e direitos em geral. Uma delas, publicada em 27 de maio, alcançou 9,7 milhões de pessoas. A postagem trazia informações sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) 580/2015, que prevê a obrigação de o preso ressarcir ao Estado as despesas com a sua manutenção. A mensagem teve 62,5 mil compartilhamentos, que receberam 12,2 mil comentários.

“Estamos bem atentos ao que está acontecendo nas redes sociais, na mídia e na sociedade em geral. Então, quando vemos algo que está sendo muito debatido, fazemos postagens sobre o assunto. Acompanhamos as publicações e repetimos as que foram bem-sucedidas, como nos casos de serviços e leis que ainda tenham relevância”, comentou a gestora de mídias sociais do Senado.

Silvia Gomide ressalta que uma das preocupações da equipe, formada por seis pessoas, é adaptar à linguagem usada nas redes sociais de todo o conteúdo, produzido em sua maioria pelos veículos de comunicação do Senado. “Nosso trabalho é tentar adaptar o conteúdo do Senado, que, às vezes, é mais formal e mais complexo, para algo mais simples, traduzindo não apenas para uma linguagem mais fácil para qualquer cidadão entender, mas também para a linguagem da rede social”.

Outras redes sociais
Além da página no Facebook, o núcleo administra as contas do Senado no Twitter, no Tumblr e no Instagram. De acordo com Silvia, a temática das postagens varia de acordo com as características da rede social. “O Twitter, por exemplo, é indicado para a notícia em tempo real. Já o Facebook, como a média de duração das postagens é de 12 horas, não é bom para esse tipo de publicação”, comparou.

 

Agência Senado / Comunique-se

Sobre

João Marcos Rainho, jornalista, 25 anos de experiência,especialista em comunicação pública tendo atuado em consultorias da FGV e Instituto Florestan Fernandes.

comment closed